Monday, January 16, 2006

O MAIOR SEGREDO

Uma Entrevista com David Icke

30/7/99 ~ por RICK MARTIN

Com permissão, do artigo de capa do jornal SPECTRUM!
3 de agosto de 1999
Para solicitar o SPECTRUM ligue para (877) 280-2866 (Estados Unidos).www.spectrumnews10.com





Tradutor Julio Anglada

Janglada@openlink.com.br

Observação por Stephanie Relfe: David Icke não acredita em Jesus, e creio que ele sequer acredita em Deus. Creio que, embora grande parte de suas informações seja ALTAMENTE útil, seu livro “The biggest Secret” (“O Maior Segredo”) é um pouco difícil demais para algumas pessoas, não necessariamente porque as informações sejam complicadas demais, mas porque ao mesmo tempo em que transmite informações que podem causar medo, David retira aquilo que retira o medo de muitas pessoas -- sua fé e sua conexão com Deus e/ou Jesus. A maior parte de suas informações é excelente. Eu recomendo seu livro, desde que se tenha isso em mente.

Sobre o autor

David Icke é autor de 14 livros, entre eles: And the Truth Shall Set You Free ("A Verdade o Libertará”), The Biggest Secret ("O Maior Segredo"), Children of the Matrix (“Filhos de Matrix”), Alice in Wonderland and The World Trade Center Disaster - (“Alice no País das Maravilhas e o Desastre do World Trade Center – por que a história oficial de 11/9 é uma mentira monumental”), Tales from the Time Loop (“Estórias do Laço do Tempo”) e seu mais recente livro, Infinite Love is The Only Truth – Everything Else is Illusion – Exposing the Dreamworld We Believe to be Real” (“O Amor Infinito é a Única Verdade, Tudo o Mais é Ilusão – Expondo o Mundo de Sonhos que Acreditamos ser Real”).

Icke percorre o mundo inteiro, falando a platéias cada vez maiores. Muitos o chamam de “o palestrante mais controvertido do mundo.” David nasceu em Leicester, Inglaterra, no Reino Unido. Ele começou sua carreira como jogador profissional de futebol, que exerceu até 1973, quando a artrite reumatóide o impediu de continuar nessa profissão. Ele aventurou-se no jornalismo e fez televisão até 1980, quando tornou-se locutor de notícias e esportes em uma rede de televisão, até 1990. Ativista ambiental experiente desde 1982, Icke criou fama por estabelecer grupos de pressão ambiental. Ele tornou-se o porta-voz nacional para o Partido Verde Britânico, de 1988 a 1991. Enquanto trabalhava com o Partido Verde, começou a pesquisar questões como a dúvida externa do terceiro mundo, suas verdadeiras causas e como ela poderia ser resolvida. Logo ele descobriu um padrão perturbador de eventos e exploração que mudaria o rumo de sua vida para sempre. À medida que suas pesquisas progrediam, Icke deixou o Partido Verde e se comprometeu totalmente com suas pesquisas. De 1991 até hoje, ele transformou-se em um homem com uma missão. Ele tenta pesquisar e expor a verdade sobre a natureza da raça humana, como fomos condicionados, a manipulação do mundo hoje, e como podemos nos libertar. Ele se encontra em uma jornada impressionante de autodescoberta e descoberta coletiva, para estabelecer o poder real por trás de eventos mundiais aparentemente "aleatórios", como os atentados de 11/9 e a "guerra ao terrorismo". Ele revela que uma rede de linhagens miscigenadas, manipulando por meio de suas sociedades secretas interconectadas, tem buscado seus interesses há milhares de anos para impor um estado fascista centralizado global com controle e vigilância total da população.

David Icke tornou-se um palestrante altamente requisitado no mundo inteiro – e não é de admirar. Nos últimos anos, seus livros têm abrangido toda a faixa de tópicos envolvendo a assim-chamada "elite" de controladores globais e seu controle sobre as massas.

Seu livro, com o título “O Maior Segredo”, é seu trabalho mais ousado até agora. Dizer que a obra cobre ainda mais do que seu título sugere ainda é pouco.

Em 8 de julho de 1999, consegui falar com David por telefone, em Londres. Enquanto ele se recuperava de uma gripe prolongada, e já nos sentíssemos gratos por uma entrevista curta, sob aquelas circunstâncias, acho que você concordará comigo que ele estava em ótima forma, durante esta conversa.

David é contundente sobre uma ampla gama de tópicos, alguns dos quais certamente estenderão suas crenças e expandirão seus pensamentos. Esta conversa é, literalmente, do tipo “apertem os cintos e se segurem”, capturando o estilo seguro da fala de David da melhor maneira possível por escrito.

Se você não ler esta entrevista com mente aberta, provavelmente desprezará a coisa toda. Porém, como a leitura atenta de A Maior Mentira [O Maior Segredo] revelará, David fez realmente sua lição de casa – como sempre!

Como ele mesmo me disse, acabou de completar uma viagem de um mês à Austrália, Nova Zelândia, Hong Kong e América. Enquanto escrevo este artigo, ele está na África do Sul por um mês, voltando à América em setembro. Sua presença está confirmada para Seattle, Washington, no Washington State CTC, Das 10 da manhã às 5 da tarde no dia 25 de setembro; ingressos para o evento estão disponíveis através do Ticketmaster (206) 628-0888. Seu cronograma para outros eventos pode ser acessado em seu site da Internet, em http://www/davidicke.com. Seu controvertido vídeo com a vítima de controle mental pela raça híbrida dos Illuminati, Arizona Wilder, está disponível pela Bookworld e em outros locais, mas para sua conveniência, a SPECTRUM também está oferecendo este vídeo, “Revelations of a Mother Goddess” e o mais recente livro de Icke, "O Maior Segredo"; veja a contra-capa para obter informações para pedidos. Se você desejar entrar em contato com David para uma entrevista ou conferência, ligue para Royal Adams, no número 602-657-6992 ou por fax em 602-657-6994. Solicitações por britânicos ou europeus podem ser feitas à Bridge of Love, no Reino Unido, no telefone 01983 566002. [ ~ Bridge of Love ~ Australia - Fone +61 7 3209 7902 Ligações gratuitas na Austrália 1800 099 902 ~]

Agora, relaxe e leia os maiores insights de um estudioso que ousou investigar os cantos mais escondidos e se pronunciar sobre algumas áreas que, até hoje, aparentemente ninguém no mundo teve a coragem de abordar. É bastante lógico que dois dos outros livros de David se chamem : And The Truth Shall Set You Free (“A verdade o Libertará”) e The Robot's Rebellion (“A Revolta do Robô”).

Vivemos em uma era em que a responsabilidade pessoal é o desafio que mais nos afeta! Que tal cada um de nós simplesmente tomar uma resolução de seguir as três sugestões feitas por David, no fim de sua entrevista? Às vezes, as idéias mais simples de colocar em palavras são as mais difíceis na prática.

--------------------------------------------------------------

Martin: Estaremos conversando enquanto você está no centro da maior potência global hoje, Londres. Você não apenas está no centro do poder, mas também muitas coisas horríveis e tenebrosas ocorrem por trás das antigas paredes de pedra aparentemente respeitáveis desses vários locais.

David Icke: Certo, absolutamente certo.

Martin: Como nossos leitores são muito bem versados sobre os Controladores Globais, em termos gerais, vamos direto às más notícias e continuemos a partir daí. Qual é o Maior Segredo, um título tão apropriado para seu novo livro?

David Icke: O “maior segredo” que começa a emergir é que no mundo antigo, não se sabe bem quando, mas certamente por volta de 5.000 a.C., emergiu uma série de linhagens, particularmente, mas não exclusivamente, realmente, o foco de poder estava no Oriente Médio.

Essas linhagens tornaram-se as líderes e as linhas de realeza dessa área. Essa linhagem parece ter origem em uma intervenção extraterrestre que criou linhagens híbridas. Creio que o Antigo Testamento menciona isso, mas é claro que é uma releitura de escritos muito mais antigos, quando fala sobre os “filhos de Deus” que se misturaram com as “filhas dos homens”, criando a linhagem híbrida, os Nephilim, ou “gigantes”, como está na Bíblia. Na bíblia hebraica, os “filhos de Deus” tornaram-se “filhos dos deuses”. Com muita freqüência, quando vemos a tradução para o inglês, a versão do Rei James da Bíblia, como Deus no Antigo Testamento, na verdade esta foi a tradução de uma palavra que significava “deuses”.

E essas linhagens moveram-se pelo mundo ao longo do tempo e se tornaram a aristocracia e as famílias reais da Grã-Bretanha e Europa. O cruzamento incessante entre essas famílias não se deve a uma espécie de esnobismo, mas a seu desejo de manter uma estrutura genética específica.

Graças a... Bem, voltemos atrás um pouquinho. O foco dessas linhagens, no mundo antigo, parece estar na Babilônia, e elas finalmente mudaram seu epicentro para Roma. E foi quando elas estavam em Roma, centralizadas ali, que tivemos o Grande Império Romano.

Este foi um ponto crucial na expansão histórica do poder dessas linhagens por todo o planeta. Ao final, um deles, chamado William de Orange, com quem cada membro da família real na Europa tem parentesco, foi manipulado até assumir o trono da Inglaterra em 1689, e foi ele quem assinou o documento que criou o Banco da Inglaterra, em 1694.

Neste ponto, este grupo – você pode chamá-lo de Illuminati, por falta de uma palavra melhor --, essas linhagens, em outras palavras, moveu seu epicentro em um nível operacional, porque tem outros níveis por todo o mundo, mas em um nível operacional, a aranha no centro da pirâmide tornou-se Londres. E então, é claro, à medida que os anos passavam, chegou este momento crucial na expansão dessas linhagens, o Grande Império Britânico, e como resultado disso elas conseguiram mover-se para as Américas, Austrália, África e Nova Zelândia. Apareceram até na China.

Foi dito que o sol nunca se punha no Império Britânico. Bem, quando vemos o tamanho da Grã-Bretanha comparado com o mundo – quando eu era garoto, considerava um grande mistério como essas pequenas ilhas que mal podia ver no globo terrestre realmente possuíam um império que se espalhava pelo mundo inteiro. Agora, porém, eu entendo que isso não era absolutamente o Império Britânico, mas o império dessas linhagens, que estavam centralizadas na Grã-Bretanha, o que é algo muito diferente.

Agora, o que aconteceu, e que se torna cada vez mais claro, é que essas linhagens assumiram posições de poder nesses países do Império Britânico. Mas existem duas formas de poder. Há o poder claro, a ditadura – é possível vê-la, senti-la, tocá-la e prová-la – e ele sempre tem uma duração finita, porque no fim, quando as pessoas sabem que vivem em uma ditadura, em uma prisão, elas se rebelam contra o regime. A forma mais eficiente de controle, e isto é o que aconteceu quando os assim-chamados impérios europeus, como o Império Britânico, começaram a retroceder, particularmente neste século, eles substituíram o controle visível pelo controle velado.

E este é o controle máximo, porque as pessoas não se rebelam contra a falta de liberdade quando acham que são livres. Portanto, o que aconteceu enquanto esses impérios, como o Império Britânico, se retraíram na superfície e, naturalmente, “Ah, o grande Império Britânico acabou, a pobre Grã-Bretanha perdeu seu poder"? Essas potências na verdade deixaram naqueles países as linhagens e as redes de sociedades secretas através das quais elas funcionam e continuaram governando aqueles países, incluindo não menos que, na verdade, principalmente, os Estados Unidos, desde que esses começaram a existir.

Quando se observa a genealogia dos presidentes americanos, fica-se perplexo ao ver como tudo se encaixa. Existem cerca de 260 milhões de americanos, no momento. E se você acrescentar todos aqueles que se chamaram americanos desde 1776, terá centenas e centenas de milhões. Bem, 42 homens dessas centenas de milhões chegaram a se tornar presidentes dos Estados Unidos. Você pensaria, pela lei das probabilidades, que esses 42 homens teriam de ter uma tremenda diversidade genética.

Bom, não é isso o que vemos. De acordo com o Burke’s Peerage, a bíblia da genealogia aristocrática e real baseada em Londres, cada eleição americana desde, e incluindo, George Washington, em 1789, foi conquistada pelo candidato com mais genes reais europeus. 33 dos 42 estão geneticamente relacionados com duas pessoas: Carlos Magno (rei), o monarca mais famoso daquilo que chamamos de França, e Alfred O Grande, rei da Inglaterra. Esses são os dois países, por incrível que pareça, França e Grã-Bretanha, dos quais essas linhagens vieram na Europa.

Agora, desde que O Maior Segredo foi publicado, e contou a história de como essas linhagens surgiram no Oriente, de como o projeto de controle pela religião formou-se na Babilônia, desde que contei sobre a trindade de Nimrod, Tammuz, O Sol, e Rainha Semiramis, com um espelhamento posterior nas histórias sobre Jesus, e muitas outras estórias em outras culturas que se relacionam com exatamente as mesmas estórias usando diferentes heróis, desde que escrevi no livro que as Escrituras foram escritas, na verdade, por uma família aristocrática romana chamada Pisos, Piso... Desde que escrevi no livro que essas estórias foram tomadas e transformadas em uma religião, notavelmente pelo imperador Constantino o Grande, do Império Romano, no Conselho de Nicaea em 325 a.C e, naturalmente, o que adveio disso foi a igreja católica romana, que se transformou na religião cristã...

Desde que escrevi no livro que uma das principais linhagens que estou identificando é a dos merovingianos, que surgiu no Oriente Médio e chegou à França e, é claro, já foi tema de diversos livros nos últimos dez anos ou algo assim, desde que notei no livro que a família real britânica, incluindo o reio George III, era dessas linhagens, desde tudo isso, nos últimos dez dias eu me deparei com a genealogia da família de George Bush, incluindo George W. Bush que, sem nenhuma surpresa, está sendo bem cotado para a Presidência dos EUA em 2000.

A verdade é que a família Bush e a família Roosevelt compartilham a mesma descendência, estão geneticamente relacionados com Alexandre o Grande que, acho que foi em 300 a.C., saqueou essa mesma área – o Egito, o que chamamos agora de Israel, chegando à Babilônia e à Índia – toda esta área da qual eu falo, a família Bush e a família Roosevelt descendem de Alexandre O Grande.

Elas estão ligadas à família Piso, a família aristocrática romana que escreveu as Escrituras originalmente. Elas estão geneticamente relacionadas com Constantino, O Grande, o imperador romano que tomou essas estórias e as transformou na religião cristã, na verdade, o que revela que as pessoas que escreveram as Escrituras e a pessoa que criou a religião provinham da mesma linhagem.

Eles estão geneticamente relacionados com Dagoberto, um dos principais na descendência merovingiana. Dagoberto, segundo dizem, foi um dos últimos merovingianos sobreviventes, mas isso não é verdade. A família Bush também está geneticamente relacionada com George III, que viveu na época em que pessoas como Benjamin Franklin dava ao povo americano a impressão de que teriam liberdade, quando na verdade estariam sob o poder oculto pela Grã-Bretanha, o que ocorre desde então.

Assim, quando você observa isto, e tal fato aconteceu apenas algumas gerações atrás da geração de Bush, percebe que a linhagem de Bush apóia, enfaticamente, essas linhagens que vieram do Oriente Médio e foram levadas a posições de poder, ainda hoje. Não é por acaso, Rick, que George W. Bush, com essa história genética, é aquele que vem recebendo apoio moral e financeiro para tornar-se presidente em 2000, que é um ano crucial para eles.

Portanto, o que estou dizendo é, na verdade, que minhas pesquisas apontam fortemente para o fato de que os E não virão, e não estão prestes a nos invadir, mas já controlam este planeta, cada vez mais, a milhares de anos. E quando eu digo extraterrestres, não quero dizer todos eles, mas estou falando sobre este grupo em particular. Parece-me que a situação é esta, que... – ah, por falar nisso, a Casa de Windsor vem dessas linhagens, e eles sabem isso, estão relacionados com Bush, o que não nos causa surpresa.

De qualquer modo, parece que uma das principais razões para tentarem manter sua estrutura genética é que este planeta é controlado não em um nível físico, que é apenas um dos níveis, mas na verdade do nível que as pessoas chamam de astral inferior, ou que eu chamo de quarta dimensão inferior. Este é o extremo inferior da dimensão mais próxima a esta aqui. E parece que, falando com pessoas que trabalharam com essas pessoas e fizeram parte de seus rituais – na verdade, em um caso, os conduziram -- que essas entidades da quarta dimensão inferior -- e é claro que os rituais satânicos interagem com elas -- o campo legendário dos demônios folclóricos e toda essa coisa... parece que, de algum modo, essas linhas genéticas particulares, em sua forma mais pura, têm uma ressonância vibracional e uma afinidade muito maior com a quarta dimensão inferior e, portanto, podem ser possuídas com muito mais facilidade por essas entidades, o que significa que se você pode colocar essas linhagens, o corpo físico, se preferir, em uma posição de poder, está realmente colocando essas entidades da quarta dimensão inferior em posições de poder, porque elas operam por meio dessas linhagens.

E, mais uma vez, quando você estuda a genealogia, embora isso tome muito tempo e esforço, você chega às mesmas origens genéticas das pessoas que detêm o poder. Parece-me que essas entidades da quarta dimensão inferior têm operado, na verdade, através do que chamamos de Illuminati, para realmente controlar o planeta. E enquanto tudo isso acontecia, algumas pessoas me contaram umas histórias muito bizarras.

Martin: Aposto que sim.

David Icke: E sobre a minha vida, Rick, nos últimos 10 anos, desde que assumi conscientemente esta jornada, já que percebo que já a fazia inconscientemente durante minha vida inteira... O fato é que, logo que um assunto entra em minha mente, começo a conhecer pessoas literalmente do mundo inteiro, porque já estive em 21 países nos últimos dois anos, e voltei a alguns deles, de modo que começo a ver, como um resultado das viagens, que esses mesmos temas surgem no mundo inteiro.

E um tema que surgiu ano passado, em maio de 98, que já está no ar há algum tempo, mas que eu havia deixado de lado. Na verdade, não tinha evidências suficientes para falar no assunto. O tema é que as pessoas já viram aqueles que detêm o poder, não exclusivamente elas, mas em sua maioria, mudarem para uma forma reptiliana e depois voltarem à forma humana. Em um período de 15 dias, em maio de 1998, conheci 12 pessoas diferentes, em diferentes partes da América e com diferentes histórias de vida, em minhas viagens, que me contaram a mesma história. E eu pensei: “Mas que diabo está acontecendo aqui?!”

Ao voltar para a Inglaterra, a seqüência continuou. Algumas pessoas, membros da Câmara dos Lordes, em Londres, pediram-me que eu fosse até lá falar com eles, sobre a manipulação, que eles também percebiam. Conversei com eles por algum tempo, e uma das mulheres disse coisas muito interessantes sobre Diana, você sabe, a Princesa de Gales. Depois daquela reunião, eu disse: “Olhe, precisamos conversar.”

Ela disse: “Precisamos sim.” Saímos dali e trocamos idéias.

Perguntei: “De onde você tirou essas informações sobre Diana?”

Ela disse: “Minha melhor amiga era confidente íntima sobre coisas que a princesa não podia falar com mais ninguém, por nove anos.” Essa senhora já havia aparecido na imprensa, de tempos em tempos, como sendo uma amiga íntima de Diana. Bem, e então ela disse que talvez aquela senhora desejasse falar comigo. Ela nunca havia falado com outra pessoa sobre aquele assunto.

Portanto, eu fui vê-la e seu nome era Christine Fitzgerald. Ela começou a falar sobre a ligação, sobre o tratamento recebido por Diana pelos Windsors, que era realmente abominável. Não conversei com Christine Fitzgerald sobre essas histórias bizarras que pessoas do mundo inteiro me relatam. Então, enquanto conversávamos, ela disse: “Ah, você conhece o apelido que Diana deu aos Windsors?"

Respondi que não.

Ela continuou: “Os lagartos, ou répteis.” E ela disse: “Ela costumava dizer, com a maior seriedade: "Eles NÃO são humanos!"

Christine Fitzgerald prosseguiu, comentando: “Você sabe, os Windsors são uma linhagem repiliana, não são humanos.” E que “a família real britânica e suas linhagens relacionadas são reptilianas, vêm de uma raça reptiliana extraterrestre.”

E eu pensava, comigo mesmo: “Ah, cara, mais uma dessas histórias?”

Voltei para casa – que fica a uma hora e meia de Londres. Eu conhecia um cara chamado Ted Heath, que foi Primeiro Ministro da Grã-Bretanha de 70 a 74, e eu sabia que ele estava envolvido em umas coisas terríveis, como sacrifício de crianças, e essa coisa toda -- eu sabia porque algumas pessoas viram isso e me contaram. Eu também conhecia uma mulher, que me contactou desejando falar sobre suas experiências com Ted Heath, então fui vê-la, não para falar sobre reptilianos que mudam de forma, mas para falar sobre Ted Heath e o ritual satânico envolvendo a elite da Grã-Bretanha.

E mais uma vez, apenas como curiosidade -- quando você estuda essas linhagens desde a história antiga até hoje, este ritual satânico, o sacrifício humano e ritual com sangue, usando até mesmo as mesmas divindades nos rituais, isto é um tema comum e constante, que não muda nunca. Assim, seria muito surpreendente se a elite atual não estivesse envolvida nisso, porque essas linhagens sempre estiveram, assim como Bush está, e pessoas como ele. De qualquer modo, fui ver esta senhora, que me contou sobre suas experiências com Heath.

Em um lugar chamado Burnham Beeches, que é uma área de reflorestamento, famosa por rituais satânicos, entre pessoas que estudam essas coisas, acontece que, embora Burnham Beeches fique fora de Londres, não muito longe do aeroporto de Heathrow, ela pertence à cidade de Londres, ao distrito financeiro que é o epicentro deste controle.

Terminei uma xícara de chá e já estava me preparando para ir embora, depois de ela me contar essas coisas, e lhe falei, apenas para lançar a isca enquanto já saía: "Sabe, estão acontecendo algumas coisas bem estranhas em minha vida, atualmente." Falei: “Estou sempre encontrando pessoas que me dizem que viram pessoas mudarem de forma para répteis!”

Olhe, com toda a honestidade, ela segurou minha camisa e ficou ofegante, como se fosse desmaiar.

“Ah, meu Deus”, disse, “achei que isso só acontecia comigo.”

Então, me contou que não pretendia me falar sobre isso, porque achava que eu não acreditaria. Ela disse: “Tudo isso que lhe contei sobre Heath e seus rituais satânicos, e essas coisas todas, eu não ia lhe contar sobre o que eu também vi. Ele mudou de forma, transformou-se em um reptiliano, durante o ritual. O que me deixou perplexa”, disse ela, “é que nenhum dos outros participantes parecia surpresa, como se aquilo fosse algo natural, que acontecesse o tempo todo.”

Isto acontece até hoje, Rick. Eu estava em Vancouver, apresentando uma palestra, e conheci 4 ou 5 pessoas que me contaram a mesma história, incluindo uma executiva muito realista, sabe, muito prática, bem vestida, com mais ou menos 5.000 clientes. E ela disse que mantivera um relacionamento com um homem português que se transformou em réptil bem na sua frente.

Eu acabara de falar em uma conferência financeira sobre a Manipulação do mundo nas Bahamas, e duas pessoas me contaram a mesma história. Uma disse que estava em um culto religioso e, em uma ocasião, o líder transformou-se em um réptil bem na sua frente.

E ela disse – e o mais impressionante é que ele olhava direto para ela, mas os outros não viam isso – mas ela percebia, e disse que saiu da sala e dirigiu como louca, sem rumo, tamanho o susto.

Você sabe, já conheci centenas e centenas de pessoas do mundo inteiro, de todas as profissões -- dois apresentadores de televisão que entrevistaram um homem ao vivo e, quando voltaram para a sala, um deles disse: “Tive uma experiência muito esquisita durante aquela entrevista. O rosto do cara transformou-se em um réptil!"

“Ah, meu Deus" disse o outro, “Eu vi as mãos dele se transformando também.”

E é assim – e quando começamos a estudar o mundo antigo, começamos a ver referências constantes a serpentes e à raça de serpentes. Não quero dizer que todas as referências são literais -- existe o simbolismo da serpente, usado maciçamente -- mas quando vemos os Nagas, os deuses da antiga religião hindu, que supostamente conseguiam assumir a forma humana OU reptiliana...

Além disso, enquanto isso ocorria, Rick, eu pensava: “Tenho certeza de que Cathy O'Brien mencionou esses répteis em seu livro franco e chocante, com Mark Phillips, chamado Trance-formation of América.”

Martin: Sim.

David Icke: Consegui um exemplar, comecei a percorrer o índice, procurando por répteis, pensando: “Minha vida se torna mais estranha a cada minuto.”

Martin: (Rindo)

David Icke: Percorri a bibliografia naquele livro e é claro que Cathy fala sobre seu encontro com George Bush e que este – ela obviamente presumiu que isso fazia parte do controle das mentes, ela considerou-o uma imagem holográfica, parte do controle de sua mente – mas quando você começa a juntar as evidências, bem, a coisa fica estranha.

Ela fala de seu encontro com George Bush, e que ele lhe disse que eles eram uma raça extraterrestre que veio de um “lugar muito distante no espaço”, que assumira o controle do mundo, e ninguém percebera isso porque eles se pareciam com os humanos. Mas ela disse que G. Bush transformou-se em réptil na sua frente. Ela mencionou um encontro com os irmãos Bennett, Aqueles políticos tão influentes na América, dizendo que eles a colocaram em um programa de controle mental, no qual disseram que vinham de outra dimensão, que eram seres interdimensionais.

Ela teve uma experiência durante aquela época, de ver uma festa na Casa Branca, na qual todos se transformaram em répteis. Depois, ela menciona, no livro, que esteve com Miguel De La Madrid, no México, que era presidente durante a era de George Bush, e que ele lhe contou a história da raça iguana, conforme ela relata no livro. E Miguel De La Madrid disse que uma raça reptiliana extraterrestre havia cruzado com o povo mexicano antigo, porque precisavam criar linhagens ou corpos através dos quais pudessem operar, e que essas linhagens poderiam assumir a forma humana ou reptiliana. No livro, ela diz que ele realmente mudou de forma, não totalmente, mas no rosto, para uma forma reptiliana, quando esteve com ele.

Quando começamos a juntar tudo isso -- minha filosofia é simples --, eu sigo informações, e vou aonde elas me levam. Se você, ou qualquer pessoa, tem qualquer fé ou crença, seja religiosa, política, qualquer que seja, e se mantém rigidamente com suas convicções, nunca verá o que está acontecendo, por causa dessa crença, dessa crença rígida, pois você começará a editar as informações que lhe chegam e começará a desconsiderar informações que o afastam de seu sistema de crenças e o desafiam.

Eu não tenho nenhuma fé dessa espécie, felizmente, de modo que apenas sigo as informações e elas me levam a essas áreas. Interessantemente -- e aqui preciso voltar um pouco no tempo, – e modo que precisarei falar mais ainda -- quando estive na África do Sul, mais ou menos em fevereiro do ano passado, conheci um shamã zulu, um famoso feiticeiro lá. Encontrei-me com ele por cerca de cinco horas e conversamos sobre vários assuntos.

Ele sabia sobre a elite e sobre a manipulação, sobre a conexão extraterrestre, sobre tudo isso. Ele tem mais ou menos 70 anos, viveu muito tempo na África, e é um grande especialista nas lendas e mitos africanos, tendo grande experiência nelas. Ele me contou, durante a conversa, que em março de 1997 -- isso foi antes de agosto, quando Diana morreu -- ele recebeu um telefonema, e no outro lado a pessoa disse que era a Princesa de Gales e que desejava falar-lhe.

Ele não acreditou, inicialmente, e certamente não acreditou quando ela lhe disse que estava ligando, segundo ele me disse, de um telefone dentro de um supermercado. “Princesas não ligam de telefones em supermercados”, ele pensou.

Bem, quando eu falei com Christine Fitzgerald, a confidente de Diana, dois meses depois, ela me disse: "Isso faz todo o sentido, porque Diana sabia que seus telefones no palácio de Kensington estavam grampeados, e quando ela queria uma linha sem grampo, ia até uma loja de departamentos próxima”, o que o shamã interpretara como um supermercado, "para usar um telefone público sem escuta."

Este shamã me contou – e depois percebeu que tinham uma conexão, um de seus estudantes era parente de Diana – e, interessantemente, este shamã fala muito sobre conexões de extraterrestres com a humanidade e sobre suas próprias experiências extraterrestres, algumas impressionantes.

De qualquer modo, ela lhe disse que desejava falar-lhe porque tinha algo a revelar sobre os Windsors que abalaria o mundo e desejava conselhos sobre a melhor maneira de fazer isso. (Observação de Stephanie Relfe: Será por isso que Diana foi assassinada?). Em conversa com uma senhora que conheci depois de Christine Fitzgerald, chamada Arizona Wilder, que afirma ter conduzido rituais para a família real britânica, falamos sobre a possibilidade de Diana saber que a família real mudava para a forma de répteis durante rituais, e então eu disse a esse shamã: “O que ela queria revelar sobre os Windsors?” Ele respondeu: “Não posso lhe contar, é terrível demais. Não quero ter mais dores-de-cabeça ainda.”

Portanto, eu disse que ouvira falar que Diana sabia que os Windsors estavam envolvidos na operação de controle global. Ele apenas sacudiu a cabeça.

Depois, exclamou: “Ah, não.”Acrescentou: "Era muito pior que isso."

Logo voltarei a esse assunto, porque preciso tentar entender direitinho exatamente de que se tratava.

Essa mulher, Arizona Wilder, entrou em cena depois de Christine Fitzgerald. Eu a conheci em Los Angeles, ou perto de Los Angeles, e fui vê-la, não para falar sobre reptilianos que mudam de forma, repito, porque na época eu não falava sobre isso, eu estava apenas coletando informações. Fui falar com ela sobre os rituais que ela afirmava ter conduzido para a família real britânica, para os Bushs, os Kissingers e pessoas de poder na América.

Embora Arizona Wilder tenha cabelos ruivos atualmente, seus cabelos são, na verdade, loiros, e ela tem olhos azuis penetrantes. Pessoas de cabelos loiros e olhos azuis estão profundamente envolvidas em tudo isso. Bem, é por isso que o Projeto Monarca é formado de forma preponderante, se não exclusivamente, por pessoas de cabelos loiros e olhos azuis.

Fui falar com ela sobre os rituais que ela supostamente havia conduzido. Assim, estamos entrando neste assim, e ela me conta sobre os rituais em Balmoral nos quais, você sabe, sacrifícios humanos ocorrem na Escócia, no Palácio da Rainha na Escócia, e também no Castelo de Glames e no Castelo da Escuridão, como é chamado, na Bélgica, sobre o qual Fritz Springmeier e Cisco Wheeler falam, em seu livro. Eu já tinha ouvido sobre isso de outras fontes, quer dizer, Christine Fitzgerald estava falando sobre as coisas que eles abordaram, e enquanto a conversa evoluía, Arizona disse-me: “Mas isso não é o mais bizarro que já aconteceu.”

E eu pensei: “Bem, o que pode ser mais bizarro que a rainha da Inglaterra sacrificar criancinhas?" Ela contou-me que quando o sangue começava a escorrer, eles se transformavam em répteis.

E em sua forma de répteis eles são muito, muito diferentes – quer dizer, a Rainha Mãe, parece engraçado, na verdade, mas a Rainha Mãe é uma idosa frágil de 99 anos, mas esta é sua forma física na realidade tridimensional. Mas não é a forma física do réptil que opera através dela, de acordo com essas pessoas.

Recebi um telefonema de uma americana, presidente da organização Pais Contra o Abuso em Rituais. Eu conversei com ela, novamente, não sobre reptilianos que mudam de forma, mas sobre o abuso ritualístico de crianças na América, e ela disse-me, durante a conversa: “Você sabe, uns 12 clientes meus já me contaram que, durante os rituais, eles viram os participantes transformarem-se em répteis.” Além disso, ela disse: “Eu sempre achei que se vestiam como répteis, para confundir as pessoas.”

Mas quando você considera tudo isso como um todo, Rick, todas essas informações que começam a emergir, e desde que fui a público com este assunto, obviamente, no livro, você começa a atrair pessoas que confiam em você, porque o que mantém esses acontecimentos em segredo, na maior parte do tempo, é que as pessoas que sabem das coisas e viram tudo pensam: "Bom, mas quem acreditaria em mim?”

Interessantemente -- e esta é também uma história real, e meio que resume o modo como isso se desdobra -- quando o livro O Maior Segredo estava em vias de ser impresso, em janeiro, recebi um telefonema na América de um cara que havia lido meus outros livros, e ele disse: “Ei, você está por lançar outro livro?”

Respondi: “Sim, está sendo impresso!”

Ele perguntou qual era o tema.

Respondi: “Bem, você terá de ler, porque parte dele é tão bizarro que se eu lhe contasse, você me consideraria um maluco."

Então, continuamos conversando sobre o que ele fazia, essas coisas. Mais ou menos dez ou quinze minutos depois, ele me diz: "Ei, você achará que sou louco, mas você já viu pessoas em posições de poder, como Bush, Gorbachev, Kissinger, transformarem-se em répteis?”

Pensei: “Ah, que porcaria, mais um!”

Respondi: “Bem, por que você me pergunta isso?”

E esse leitor me diz: “Porque eu já vi.” E continuou: “Quando eles aparecem na televisão, eu sempre os vejo transformando-se em répteis.”

E por aí vai – interessante, não? Não posso recordar a palavra exata agora, mas eu fui entrevistado em uma estação de rádio pelo cara que faz pesquisas com a fala invertida. Você já ouviu falar disso?

Martin: Sim, já ouvi.

David Icke: Bem, ele queria conversar comigo sobre a inversão que fizeram com as palavras de alguém chamado Ken Bacon – você lembra do cara que foi porta-voz do Pentágono, ou porta-voz da Casa Branca e Pentágono, acho, durante a guerra de Kosovo -- e que inverteram um discurso dele e ouviram: "Vocês sabem o que isso significa? Podemos resolver a situação.”

Era claro como o dia. Ele estava fazendo uma declaração sobre a guerra para a imprensa, e ao contrário, se ouvia algo como: “ “Somos o povo da serpente e nós” – algo assim, não recordo as palavras exatas agora, tenho em fita nos Estados Unidos, mas era algo como -- "somos o povo da serpente e buscamos nossos semelhantes", era basicamente o que diziam, muito claramente, e quase caí da cadeira.

Portanto, há algo nisso tudo que guarda em si o segredo para entendermos tanto sobre como o mundo tem sido controlado, de onde vem tal controle, e eu sugeriria que o que vemos com todas essas pessoas, os Kissingers, os Bushs e os Rockefellers e Rothschilds são, na verdade, as expressões físicas tridimensionais de uma consciência e manipulação vindas da quarta dimensão inferior. Os Illuminati físicos são apenas a expressão tridimensional do controle em quarta dimensão do planeta Terra.

Interessantemente, também, quando você volta cada vez mais no tempo, e recorda que a raça humana veio do Oriente Médio, com essas linhagens já embutidas, e você escolhe uma dessas raças brancas chamadas de fenícios – eles realmente adoravam um... uma de suas divindades chamava-se São Jorge, da Capadócia, que segundo eles havia derrotado o dragão. E uma vez que os fenícios realmente seguiram para a Grã-Bretanha, por volta de 3.000 A.C., e assumiram o controle do que agora chamamos de cultura britânica – que na verdade, em várias formas, tornou-se a cultura mundial, São Jorge da Capadócia (Capadócia localiza-se no que conhecemos atualmente como Turquia), tornou-se São Jorge da Grã-Bretanha.

Outra divindade que os fenícios adoravam e chegou à Grã-Bretanha foi São Miguel, que, segundo dizem, lançou a serpente no abismo – ou a lançou sobre a Terra para a batalha final, e essa coisa toda. Esta batalha – com serpentes --, é uma história que se repete.

Outra coisa com a qual faço conexões em O Maior Segredo – e mais e mais pessoas começam a fazer tais conexões – é entre a Terra e Marte, porque parece-me que os cataclismas que destruíram tanto da Terra, sobre os quais as antigas lendas e relatos falam, os grandes desastres terrestres, provavelmente um que destruiu o que se tornou conhecido como Atlântida, mas houveram outros desastres, algum corpo celestial renegado, ou enfurecido, na verdade destruiu Marte. Comecei a ler livros sobre compilações das evidências reunidas sobre Marte e existem evidências convincentes de que esse era um planeta com uma atmosfera muito semelhante à da Terra, em um passado muito recente, certamente nos últimos 20.000 anos, ou até mesmo 10.000 anos, talvez. Acho que houve uma tremenda conexão entre uma civilização marciana e a civilização da Terra, e quando este cataclisma destruiu Marte, o povo “marciano” sobrevivente, que poderíamos chamar de "raça branca" de hoje, em termos genéticos, realmente veio e fixou residência aqui, re-emergindo finalmente como a cultura da Suméria, a cultura egípcia e aquelas grandes civilizações do mundo antigo.

Interessantemente, as conexões entre seu simbolismo, suas divindades, suas lendas e o planeta Marte são absolutamente extraordinárias. Portanto, há algo que vale muito a pena investigar, aí.

Em sua preparação e treinamento para conduzir os rituais, Arizona Wilder disse, porque ela obviamente é um tipo semelhante a Cathy O'Brien – um robô com múltiplas personalidades, criado para a realização desses rituais -- foi que aqueles mais experientes lhe disseram que a raça branca e esta raça reptiliana poderiam ter entrado realmente em guerra uma com a outra por um longo, longo tempo, e não apenas no planeta Terra. De algum modo, os reptilianos querem mais do que tudo a corrente genética de cabelos loiros e olhos azuis, porque desejam algo em seu sangue.

Ela também sugere – não sei se é verdade, só estou repetindo o que li – que a necessidade desesperada para conduzir rituais e beber sangue humano, particularmente de pessoas com cabelos loiros e olhos azuis, é porque supre uma necessidade, é realmente parte da necessidade por manter esta forma humana tridimensional, através da qual eles podem operar a partir da quarta dimensão. E se eles não conseguem este sangue, então começam a se degradar geneticamente, em termos da forma tridimensional e aparentemente humana.

Não importando se isso é ou não verdade, e eu não sei se é, quando observamos fontes sem qualquer conexão que falam sobre o envolvimento da elite nesses rituais,e temas semelhantes, eles dizem repetidamente que algumas das pessoas mais famosas na política e negócios americanos e ingleses, como a família real, são realmente viciadas em beber sangue, e particularmente viciadas em uma adrenalina que entra no sangue no momento do sacrifício.

E é como um tema, como eu digo, que você pode acompanhar até as origens dessas linhagens, no mundo antigo. Quando eu converso com terapeutas do mundo inteiro, que trabalham com pessoas abusadas em rituais satânicos, aquelas que sobreviveram, tentando devolver-lhes a sanidade, eles me dizem que as divindades mencionadas pelas pessoas que participaram desses cultos são exatamente as mesmas que se usava na Babilônia, as mesmas que cainitas e fenícios usavam, na Antigüidade.

Portanto, o Maior Segredo para mim, em resumo, é que a raça extraterrestre cruzou com a humanidade, criando linhagens híbridas particulares, através das quais operam a partir dessa dimensão muito próxima à nossa, e que à medida que se expandia ao longo de milhares de anos até os dias atuais, conseguiram expandir seu poder a partir de uma base no Oriente Médio, de outros lugares também, mas particularmente de lá, até assumirem o controle do planeta inteiro, hoje.

Este é o controle supremo, porque eles controlam o planeta a partir de outra dimensão, mas a maior parte dos humanos sequer pensa que podem existir outras dimensões. E esta supressão do conhecimento sobre outras dimensões, a supressão do conhecimento sobre a natureza da vida, a natureza de freqüências e vibrações, e a natureza eterna da consciência, por razões que este Illuminati criou religiões para suprimir – na verdade, durante milhares de anos simplesmente não se falava sobre essas coisas --, é a supressão do próprio conhecimento ou mesmo a percepção de que poderia haver qualquer outra dimensão ou quaisquer outros níveis de vida, o que significa que eles podem continuar controlando a humanidade a partir de níveis de existência cuja existência a maior parte da humanidade sequer aceita. Quer dizer, é impossível haver uma forma melhor de controle que esta.

Martin: Sim. Algumas questões me vêm à mente, a partir do que você acabou de dizer. Uma delas, que não é uma questão que eu, particularmente, indagaria, mas tenho certeza de que seria formulada por outros leitores: você se deparou com problemas de credibilidade, desde que começou a enfocar este assunto dos reptilianos?

E a outra questão: obviamente, há sempre a mão divina supervisionando toda a transição planetária. O que você diria a esses leitores que se sentem desesperançados pela aparente impotência, devido ao controle dessa elite?

Icke: Certo, bem, sim, esta é uma questão importante. Em primeiro lugar, deixe-me responder à questão sobre a credibilidade. É melhor deixarmos claras algumas coisas. Em primeiro lugar, eu não dou a mínima para o que pensam de mim e do que eu faço. Minha paixão é tentar descobrir o que está acontecendo, de modo que possa ser detido e alterado, e me preocupo apaixonadamente com o direito de todos de ouvirem todas as informações disponíveis e não apenas aquilo que nos leva a determinada conclusão limitada. Sinto-me completamente distanciado, em termos emocionais, de como as pessoas percebem o que eu faço, porque de outro modo eu simplesmente enlouqueceria.

As pessoas têm o direito de acreditar no que quiserem, e isso inclui o direito de ignorar o que eu digo. Não tenho nenhum problema com isso. Meu problema é a supressão da comunicação de informações. Portanto, cada um percebe as coisas como bem entender, e é seu direito absoluto aceitar tudo, aceitar um pouco ou apenas desconsiderar tudo o que eu digo. Cabe a elas decidir. Portanto, eu não tenho qualquer problema com isso, não me importa como as pessoas recebem o que eu digo. O que me importa é que elas tenham o direito de acesso às informações.

Por outro lado, entretanto, eu diria o seguinte: já abordei este assunto no mundo inteiro, e O Maior Segredo já foi lançado há meses. Quer dizer, você sabe, estamos nos 30.000 exemplares deste livro. Quer dizer, o interesse pela obra é extraordinário. E o que me espanta é que eu já andei pelo mundo inteiro falando sobre esse assunto, e a reação, embora fosse de perplexidade, realmente é de algo bastante lógico para um número incrível de pessoas que permanecem nas palestras o suficiente para ouvir meus argumentos. Eu não me ponho lá apenas declarando o que acontece. Eu apresento as informações, que isso é o que alguns já viveram, e busco apoio para minhas teorias no mundo antigo. Há algo pairando no ar à espera de respostas, algo está acontecendo.

Portanto, a receptividade ao que digo é impressionante. O que considero desapontador – na verdade, não me importa muito, mas considero desapontador em razão de seu efeito – é o modo como alguns estudiosos conspiradores, que estão sempre dizendo que as informações são suprimidas, etc., na verdade desejam suprimir as informações que eu apresento e que não lhes agradam.

Martin: Sim.

David Icke: Isto é extraordinário. Quer dizer, as pessoas falam sobre liberdade, mas ainda não entendem o que isso significa. Assim, com freqüência, quando eu falo com pessoas sobre liberdade e elas dizem: “Sim, eu anseio pela liberdade.” Se você falar o suficiente com elas, descobrirá que, na verdade, não anseiam tanto pela liberdade. O que desejam é que liberdade substitua uma imposição que não lhes agrada por uma outra, que os satisfaça mais!

Sabe, é como ocorre com o Movimento Patriota Cristão, pelo qual tenho grande simpatia, já que tentam expor alguns níveis da conspiração, mas na verdade, eu não vejo muita diferença entre uma cultura imposta e a imposição do pensamento, na qual os Illuminati são substituídos por um pensamento imposto, contido na idéia de “uma nação sob a mão de Deus.” Mas então nos perguntamos: “Bem, estamos falando de Deus, mas do Deus de quem?" O Deus deles, é claro, é a versão cristã de Deus. Isso não representa uma liberdade maior. Portanto, considero triste que, embora "dividir e conquistar" seja realmente a base de todo o controle por poucos, durante toda a história humana, sem ele não seria possível dominar, os pesquisadores da conspiração e pessoas de algumas religiões ainda caiam neste golpe de dividir e conquistar.

Portanto, a verdade é que parte do abuso mais poderoso que sofri desde que o livro foi lançado não veio do público, mas de outros estudiosos da conspiração que não conseguem abstrair e considerar qualquer argumento além da esfera física. Entende? Você é livre para decidir. Entretanto, quer concordemos ou não, o mundo seria muito aborrecido se concordássemos com tudo o que todos disséssemos. Certamente, para chegarmos ao centro disso, precisamos enfocar aquilo sobre o que todos concordamos, que é a necessidade de expor que este mundo está sob controle.

Talvez eu tenha assumido uma perspectiva, com base nas informações que gerei, sobre quem controla o mundo, mas digamos, por exemplo: “Bem, eu não concordo com você a respeito de tal coisa, não consigo aceitar a idéia, não fui eu quem pesquisou, de modo que não sei.” Mas concordemos sobre o que concordamos e vamos em frente, unidos, apoiados no desejo por liberdade no mundo. Em vez disso, quando alguém escreve algo, ou diz algo diferente, para romper com a conspiração, porque começamos a descobrir suas regras, outros estudiosos da conspiração começam a agredir e a desrespeitar uns aos outros. Quer dizer, parte disso que acontece na Internet com os teóricos da conspiração abusando um do outro... Sinto náuseas, assistindo a isso. Quer dizer, a declaração de que “um punhado de pessoas não pode dominar o mundo” é facilmente derrubada.

Contudo, o terceiro ponto abordado por você é muito, muito importante, porque envolve toda uma área de pesquisas e entendimento no qual me aprofundo cada vez mais. Somos seres multidimensionais. Parte de nossa consciência opera diretamente através da forma física, em três dimensões, em uma forma de atenção para três dimensões, mas existimos em todas as outras dimensões. Em resumo, nós somos tudo. Sabe, todos somos a mesma consciência em forma de energia, somos tudo, no fim das contas.

Há apenas um “eu”, não existe sequer um “nós”, quando ingressamos no mais alto nível disso tudo. Entretanto, eu já falei sobre tudo isso, um pouco em cada um dos livros anteriores, mas estou começando a compreender cada vez mais, atualmente.

Em “E a Verdade o Libertará eu sugeri que podemos estar vivendo dentro de uma prisão vibracional, que de algum modo uma rede vibracional foi lançada em torno desta terceira dimensão e tornou muito difícil para a consciência incorporada em três dimensões -- se você preferir, a consciência que olha pelos olhos e ouve pelos ouvidos – conectar-se com este estado multidimensional do ser.

Parece-me que este nível inferior da quarta dimensão, no qual este grupo de controladores da elite opera, e quero salientar isto com muita veemência, quando falo sobre os reptilianos não estou falando sobre todos os reptilianos. Assim como quando falamos sobre os Illuminati, não estamos nos referindo a pessoas na forma física. Estamos falando sobre um grupo particular. Tenho certeza de que a forma reptiliana é uma invariável entre grandes segmentos desta galáxia e de outras, e certamente não me refiro a todos na forma de réptil – sempre que alguém vê outra pessoa na forma de réptil, e há muitos que vêem, alguém diz “Eu não senti vibrações ruins vindo deles.”

E isso é verdade, porque não estamos falando sobre TODOS os reptilianos, estamos falando sobre um grupo que parece assumir uma forma reptiliana porque é assim que as pessoas sempre vêem as transformações naqueles que detêm o poder.

Portanto, eu salientaria isso com veemência, porque não queremos transformar toda a questão em algo como “mocinhos versus bandidos”, sob o risco de perdemos o rumo. A verdade nunca é preta ou branca; é sempre em tons de cinza, eu acho.

O que entendo, cada vez mais, é que este nível inferior da quarta dimensão a partir do qual este grupo opera, esta "consciência dos Illuminati” – vejamos assim --, é a faixa de freqüência que vibra às emoções de medo e seus derivados – culpa, ressentimento, agressividade, essas emoções. Portanto, quanto mais acontecimentos podem ser criados na Terra que gerem emoções de medo, culpa, ressentimento, etc. – e elas são criadas o tempo todo – dentro da forma humana, mais nos tornamos geradores de energia para essa faixa de freqüência da quarta dimensão, entende?

Sempre que sentimos uma emoção, a emoção do medo, nossos padrões de pensamento e emoção ressoam energia à nossa volta e dentro de nós de acordo com aquela freqüência do medo, que parece relacionar-se poderosamente com este nível da quarta dimensão inferior.

Onde já foram feitas experiências – e eu acho que o Institute of HeartMath, na América, fez muitas, já que tem um site muito interessante na Internet --, a freqüências de várias emoções foi medida, e essas mostraram que a freqüência do mesmo é muito baixa e lenta. E quando sentimos medo, ele realmente ressoa nossa energia muito lentamente. Quando sentimos a emoção do que chamamos de amor, em seu sentido mais verdadeiro, esta freqüência é muito rápida, e realmente ressoa nossa energia com muita rapidez. É como se ondas percorressem e reverberassem a energia, que é apenas neutra. Quer dizer, o pensamento reverbera a energia. Quer mais rápido? Quer mais lento? Em que você estava pensando? O que você estava sentindo?

Assim, quanto mais – e é crucial entendermos isso em um nível superior, eu sugeriria --, quanto mais a humanidade vive sua vida com medo e com as emoções que vêm do medo, mais lenta é a ressonância da consciência que opera diretamente através da forma física. Se a mais alta expressão de nós mesmos, além desta vibração da quarta dimensão inferior, está operando em um comprimento de onda mais alto que o medo, e chega ao comprimento de onda do amor, que eu considero como o comprimento de onda maior de todos – assim como a Rádio América não pode ocupar a mesma sintonia que a Rádio Filadélfia, porque estão em diferentes comprimentos de onda --, o comprimento de onda do medo não pode coexistir com os comprimentos maiores de onda do amor e outros estados do ser.

Portanto, em essência, desde que a humanidade possa -- na forma física naquele nível de consciência -- ser metida e imergida na emoção do medo, nós realmente nos desligamos, em termos de vibração, e não podemos fazer mais nada além de nos desligarmos das expressões mais altas daquilo que somos. Não podemos fazer nada além disso.

Portanto, quanto à sua pergunta, Rick, e ela é muito importante, “Como podemos sair dessa?“ e “Onde estão os mocinhos?”, eu escuto sempre perguntas como: “De onde virá a ajuda?”

Bem, aqueles com um estado emocional-mental que desejam – não em corpo físico, eu quero dizer seres de outras dimensões --, que têm a intenção de libertar o planeta, esses possuem um nível de ressonância vibracional, como um resultado desse estado de ser, no qual não conseguem se conectar com a consciência que está em estado de medo. Isso simplesmente não pode ocorrer, porque há uma lacuna vibracional entre os dois. Este é o ponto vital que eu sugeriria, pelo menos.

Não é que aqueles com consciência de uma dimensão superior que desejam libertar-nos precisem se conectar conosco, mas sim que nós, com medo, temos a necessidade de nos conectar com eles. E o único modo de fazer isso é nos liberando do medo; é rompendo com a ilusão das três dimensões, da tela de cinema, do tipo holográfico de jogo de realidade virtual que observamos quando abrimos nossos olhos, e entrando no comprimento de onda do amor, em seu verdadeiro sentido.

Quando começamos a vibrar como resultado desse estado, de acordo com a energia do amor, e nossa intenção é a liberdade para todos, não apenas para nós mesmos, liberdade em seu verdadeiro sentido -- liberdade para dizer com o que não concordamos, liberdade para vivermos em um estilo de vida que não é o do outro -- este nível de verdadeira liberdade, no qual eu defenderei sua liberdade de dizer algo com o que eu discordo tanto quanto defenderei meu direito de dizer o que penso -- quando atingimos este nível, então nosso ser começa a vibrar com mais rapidez e começa a cruzar esta prisão de vibração, de emoções com baixa vibração, principalmente medo, e a se re-conectar com as dimensões superiores de nós mesmos; começamos a nos tornar íntegros novamente.

Então nós nos tornamos luzes, ou faróis, que podem trazer à vida este conhecimento/consciência/entendimento de dimensão superior e começamos a nos transformar em transmissores deles, o que começa a reverberar e mudar o campo de energia no qual vivemos, e começa a romper este campo de energia baseado no medo no qual vivemos todo este tempo – e que fomos manipulados a aumentar, sempre que pensamos no medo e o sentimos.

Assim, mais uma vez, a responsabilidade É MINHA. Não tem a ver com dizer: “Venham e nos salvem!” Tem a ver com dizer: “Como podemos nos conectar com aqueles que podem nos tirar deste abismo?”

E se este abismo for realmente um campo de energia vibracional inferior, causado pela emoção preponderante e dominante do medo, no planeta Terra? Nós nos colocamos, por medo, em um estado de baixa vibração, que nos colocou em uma prisão vibracional controlada a partir desta quarta dimensão inferior, que é especialista em manipular o medo porque esta é a vibração de seu ser.

E se pudéssemos simplesmente reverter isso e começar a ressonar – por nossas próprias ações e nossos próprios pensamentos e nosso próprio estado de ser – de acordo com a emoção do amor, que não diz respeito a “Eu te amo, querida, porque adorei ver você dançando ontem." Amor é o poder máximo, porque fala sua verdade e faz o que prega e faz o que acredita ser justo, não importando as conseqüências para ele mesmo. Esta é a espécie de amor de que falo.

Porque o amor não tem medo – a emoção que realmente nos tira o controle --, de modo que amor sem medo deve ser o poder máximo.

Se pudermos entrar neste estado, começaremos a nos re-conectar com esses níveis. Então, dizemos: “Onde é que eles estão?” Bem, eles estão sentados por aí, esperando que nos re-conectemos com eles, mas NÓS precisamos fazer esta ligação. De outro modo, essas outras dimensões superiores, que tentam nos ajudar e das quais somos parte, teria de entrar no comprimento de onda do medo para se conectar conosco – o que, na verdade, boicotaria o objetivo da coisa toda.

Martin: Você usa continuamente a expressão “problema, reação, solução”. Para aqueles leitores que não sabem a que isso se refere, você poderia explicar?

David Icke: Esta é a técnica de manipulação das massas mais poderosa já usada ao longo de milhares de anos para avançar a agenda para o controle central e globalizado de todas as instituições de nossas vidas. Kosovo, Bósnia, todas essas diferentes guerras e problemas manipulados,a bomba da Cidade de Oklahoma, pessoas enlouquecidas atirando em inocentes pelo mundo todo, em escolas e prédios públicos, são expressões clássicas disso.

Se você quer introduzir algo como o controle de armas de fogo, eu acho que fomos manipulados e entrados no debate errado, a respeito de armas de fogo. É válido debater se as armas são boas ou ruins, mas não é o debate crucial neste momento, porque o que aconteceu, quando nos envolvemos com este debate, é que ele desviou as pessoas do debate que deveríamos realmente iniciar, em vista desses eventos – isto é, por que temos este padrão no mundo inteiro?

Porque eu viajo muito, posso lhe dizer que isso ocorre em todos os lugares, as pessoas enlouquecem com armas, matam outros nas ruas ou escolas e, depois, imediatamente uma legislação é proposta para a retirada de armas da população. As pessoas devem lembrar que as leis ligadas às armas de fogo foram introduzidas na Alemanha, pouco antes de Hitler começar a encher os campos de concentração.

Eu não tenho armas de fogo. Eu nunca usarei uma arma de fogo. Não sou a favor delas. Não vejo razão para enfrentar a violência com violência, porque obtemos violência em dobro. Ainda assim, precisamos ser espertos. Algumas pessoas usariam armas, e frente a isto, seria mais fácil assumir o controle de um grupo desarmado que de outro, armado. Isto não é realmente verdade, mas aparentemente sim. Portanto, o que é melhor que retirar as armas de circulação antes de dar o golpe final, por assim dizer? Portanto, “problema, reação, solução" resume a situação na qual, se você introduziu o que queria, abertamente, então você sabe que será tão impopular que receberá como troco uma tremenda resistência ao que fez.

Por exemplo, se você quisesse dar mais poder à polícia, mais poder aos militares, mais poder de busca e apreensão, mais poder para entrar nas casas sem permissão, etc., e fizesse isso abertamente, sem qualquer desta outra manipulação por incentivo, haveria uma tremenda resistência das pessoas que diriam: "Este é um estado global e fascista!" ou “Este é um país fascista!” Você não deve fazer isto; não aceitaremos!”

Portanto, “problema, reação, solução” resume isso tudo. Esta é uma técnica brilhante, muito simples, e significa que não apenas você evita a oposição, mas realmente manipula pessoas que normalmente se oporiam aos seus feitos, levando-as a ver a sua como a única solução para os problemas que foram criados e que o levaram a assumir a ação.

Portanto, no Primeiro Estágio, você cria um problema. Entretanto, é melhor garantir que alguém receba toda a culpa – um Timothy McVeigh, um Lee Harvey Oswald, ou o presidente Milosevic --, você cria um problema.

Você pode criar uma guerra, como na Bósnia ou Kosovo, você pode criar uma explosão "terrorista”, um colapso de governo, um colapso econômico, qualquer coisa assim, uma queda brutal em Wall Street, algo assim.

Depois, você faz com que seu problema, que criou em segredo, seja relatado pela mídia do modo mais conveniente.

Portanto, você transmite sobre o atentado da Cidade de Oklahoma como se tivesse ocorrido por causa de uns caras que produziram esse dispositivo de fertilização a combustível, que, segundo especialistas independentes em bombas, jamais causaria o dano daquela explosão.

Como resultado disso, você colhe a demanda de que “algo precisa ser feito!” “O que eles farão a esse respeito?” “Não podemos aceitar essas coisas! Façam algo!”

Assim, você completou o Primeiro Estágio – criou o problema.

Neste ponto, você também tem o Segundo Estágio – a reação pública: “Faça algo!”

Isso lhe permite colocar em prática a operação ferrão, chamada de Terceiro Estágio, que é a oferta de “soluções” que você queria impor desde o início, aos problemas que você mesmo criou.

Portanto, se tomamos a explosão da Cidade de Oklahoma como exemplo, depois de 24 horas do evento no prédio federal, em 19 de abril de 1995, Bill Clinton já exigia o relaxamento das restrições do envolvimento de militares no reforço à lei dentro do país.

O decreto antiterrorista que passou pelo congresso americano e retirou liberdades básicas na América, foi aprovado pura e totalmente por causa do atentado de Oklahoma, e como uma reação-solução àquele problema.

Quanto mais a fundo você observa esses acontecimentos cuja culpa recai em outras pessoas, mais claro se torna que as pessoas que propuseram a legislação, depois, são aquelas que criaram o problema, em primeiro lugar. E isso acontece todo o tempo.

Quando você tem a mentalidade do milênio, do tipo “Olhe, chegamos ao fim do milênio. Veja os horrores deste milênio; precisamos recomeçar”, você tem uma mentalidade global, muito aberta à mudança, e não há nada de errado com isso, exceto que se você controla as forças da comunicação para o mundo inteiro, você pode controlar e manipular o que é percebido como sendo uma mudança positiva, quando na verdade é apenas uma mudança relacionada com seus próprios interesses.

Esta é a técnica fundamental. Se as pessoas pelo menos ficassem alertas para isso, começariam a ver anúncios presidenciais, explosões terroristas e guerras sob uma luz muito diferente.

Martin: Qual é a “agenda” a que você se refere em seu novo livro?

David Icke: Quando você está entrando na quarta dimensão inferior e este nível, ainda estou tentando entender com maior clareza qual quais são os interesses, a agenda. Parece que, de algum modo, essa consciência ou entidades da quarta dimensão inferior, como quer que você as chame, viram-se realmente presas em uma prisão. Elas estão na quarta dimensão inferior porque estão reverberando de acordo com esta freqüência, por causa de seu estado de existência. Seu interesse é o controle, a manipulação do medo, e qualquer um que manipule o medo é, em si mesmo, escravo do medo. E como resultado, essas entidades não conseguem sair desta faixa de freqüência simplesmente ascendendo, porque se pode fazer isso apenas mudando o estado mental e emocional que leva ao aumento da freqüência, que permite a gravitação para níveis superiores.

Pode muito ser que -- estou sendo levando nesta direção no momento – que estejam tentando sair dessa quarta dimensão inferior, ou se expandir para fora dela, vindo à terceira dimensão e operando e controlando em termos tridimensionais. Certamente, mesmo se você considera apenas um nível tridimensional, a agenda é para essas linhagens, que comparadas – e este é o ponto, Rick – comparadas com a população global, não estão em grande número. Eles se expandiram para fora do Oriente Médio, particularmente, mas também para outros locais. E por esta manipulação de sempre estarem no topo das pirâmides – as pirâmides dos banqueiros, da política, dos negócios, da medicina e áreas semelhantes -- elas criaram uma situação na qual se colocam no alto dessas pirâmides compartimentalizadas e fazem com que a vasta maioria da humanidade leve avante seus interesses sem que a maior parte sequer percebia que está agindo nos interesses dessas linhagens.

Este é o único modo de fazer isso. É por isso que dividir e conquistar é vital.

É por isso que a horda humana que, infelizmente, deixamos que nos tornássemos, realmente policia a si mesma fazendo com que seja crime ser diferente. Qualquer um que expresse uma opinião divergente, qualquer um que exponha um estilo de vida diferente, é atacado pelo resto da horda que diz: “Você não pode fazer isso” e lhes torna a vida impossível, ridicularizando-o, condenando, etc.

Assim, o que essas linhagens têm feito, sentadas no alto dessas pirâmides, é manipular a massa da pirâmide para que esta combata, trave guerras, policie a si mesma – para dividir e conquistar. Parece que eles têm mantido seus interesses, sua agenda, que por ter seu foco na quarta dimensão inferior, representa para nós uma versão bem diferente de tempo, mas essa agenda pode penetrar na linha de tempo tridimensional muito além do que nós percebemos – e eles têm realmente uma agenda de longo prazo, levando ao tempo em que estamos agora, a um controle realmente global através dessas instituições globais do governo mundial, bancos mundiais, moedas mundiais, exércitos mundiais, centralização mundial de todas as coisas.

Mas, naturalmente, se existe apenas alguns de vocês e vocês precisam controlar um grande número de pessoas, então é absolutamente vital que você centralize o poder. Existem demasiadas áreas de poder e pensamento, e áreas nas quais as pessoas tomam suas próprias decisões sobre suas vidas.

Você simplesmente não consegue controlar isso sem organização. É preciso centralizar. E quanto mais você centraliza, mais poder esses poucos têm sobre as massas, que é o motivo pelo qual a centralização global do poder (e das instituições) é seu foco principal de trabalho, ao longo de todo este tempo. E se você observar o movimento incessante ao longo desses milhares de anos -- no início foi lento, e apenas se acelerou à medida que ganhavam o controle de mais e mais coisas.

Milhares de anos atrás havia, até certo ponto, a diversidade, porque as pessoas estavam por todo o mundo em diferentes culturas que as tornavam -- por motivos de distância e transporte, bem como do afastamento das elites --, desconectadas uma das outras. E então, quanto mais o tempo passava, mais essas culturas conseguiam conectar-se pela emergência da tecnologia, etc., e mais se tornava possível controlar o mundo de um modo centralizado. E eles chegaram agora ao ponto, porque da tecnologia e de sistemas informatizados atuais, em que podem realmente controlar tudo a partir de um ponto central. E era isso que desejavam, o tempo todo.

Assim, na Europa, onde estou, temos a União Européia, na qual uns poucos burocratas de Bruxelas ditam a legislação para praticamente toda a Europa Ocidental, atualmente. As leis da União Européia têm supremacia sobre as leis nacionais. Se uma lei nacional vai contra a lei da União Européia, então a lei nacional precisa ser abolida. É isso que enfrentamos na Europa, atualmente.

Temos uma única moeda, que está sendo expandida para ser a única moeda em toda a Europa. Temos um Banco Central em Frankfurt, no qual Hitler colocaria seu dinheiro, se tivesse vencido a guerra. E temos uma situação na qual a centralização de poder na Europa transformou-a, literalmente, em um estado fascista. O fascis, o símbolo do Império Romano, a partir do qual vem a palavra “fascista”, é realmente um feixe de bastões atados com firmeza em torno de um meio, com uma cabeça do eixo projetando-se no topo. Em outras palavras, você ata expressões individuais bem apertadas e as governa a partir do topo com uma lei, uma fonte de controle. Bem o símbolo da fascis é realmente – não se pode descrever a União Européia com maior simplicidade e profundidade que com este símbolo – um estado fascista que temos na Europa.

Eu estive lendo, acho que o Miami Herald ou uma publicação parecida, quando estive nas Bahamas, que agora desejam uma área de “Livre Comércio” – que, é claro, está na origem da União Européia – da ponta da América do Sul à ponta da América do Norte, no ano de 2005.

Passei um longo tempo no Canadá, recentemente, e lá eles estão rebaixando o valor do dólar canadense para quem quando oferecerem – isto já ocorre no Canadá, Rick, em um nível legislativo --, quando oferecerem aos canadenses a oportunidade de assumir o dólar americano como sua moeda, esses aceitem a troca, porque o valor do dólar americano é muito mais alto que a moeda canadense. Assim, esta é a manipulação que ocorre agora, porque eles querem que o dólar americano seja a moeda de todas as Américas.

George Bush e Bill Clinton – que supostamente são oponentes, mas é claro que não são – pediram que o NAFTA se estendesse a ponta da América do Norte à ponta da América do Sul, e este é o estágio anterior à transformação de todo o continente americano em sua versão da União Européia, que já temos aqui, na qual alguns burocratas em um ponto central ditaria as leis para todas as Américas. E isso – a União Européia, a União Americana que desejam, e algo chamado de União do Pacífico, que está sendo criada a partir de uma área de livre comércio chamada de APEC (Cooperação Econômica da Região do Pacífico da Ásia), esse é o próximo nível de controle abaixo do governo mundial que desejam. E sob esse governo virão nações e regiões que não detêm absolutamente nenhum poder.

Interessantemente, quando estive na Austrália, literalmente algumas semanas atrás, apresentando palestras, o quente dos noticiários era um imposto sobre vendas que estava sendo introduzido para aumentar coisas básicas como o preço dos alimentos naquele país. E, obviamente, a Austrália não tem uma grande população, quer dizer, deveria ser uma unidade autocontida que não estaria à mercê do sistema mundial, mas está, porque é assim que a coisa toda está estruturada. E quando perguntaram aos políticos do governo: "Mas por que cargas d'água precisamos desse imposto?", a resposta foi: "Não podemos agir dentro de uma área de comércio", qual é a palavra... ah, sim, "um grupo de comércio, sem este imposto." Em outras palavras, o imposto é parte da submissão e submersão da Austrália na área de livre comércio da APEC, que é exatamente o que ocorre na Europa, e está acontecendo rapidamente nas Américas – e esta é, em resumo, “A Agenda”.

Entretanto, também é crucial para a agenda a introdução de microchips na população. E, novamente, no mundo inteiro esses microchips estão apenas esperando, até que estejamos adequadamente manipulados para vê-los como uma boa idéia.

“Ponha microchips em seus filhos ao nascerem."

"Bem, nunca mais lhe roubarão os cartões de crédito ou seu dinheiro!”

“Tenha um pequeno microchip com todos os seus detalhes financeiros.”

"Mas é claro, que grande idéia é esta -- ter todos os prontuários médicos em um pequeno microchip, porque então, se acontecer um acidente ou algo assim, os médicos terão acesso aos seus prontuários apenas lendo seu chip."

Vejo essas coisas que acontecem no mundo inteiro como parte do processo de nossa preparação, como já fazem usando microchips em animais domésticos, para recebermos implantes de microchip.

Tenho uma história interessante pra você, Rick. Fui abordado, cerca de um ano atrás -- acho que já lhe contei esta história -- por uma terceira pessoa que desejava que eu fosse ao encontro de um cara que trabalha como cientista para a CIA há muito tempo, durante a maior parte de sua vida; ele é um gênio em sua área. Ele juntou-se à CIA porque pensou que estaria servindo ao seu país, já que muitas pessoas fazem o mesmo -- apenas porque você trabalha para a CIA, não significa que concorda com tudo.

E ele disse que, no fim, percebeu que estavam usando sua inteligência para muitas coisas, nenhuma delas positiva. Queriam usar seu cérebro para coisas muito malévolas. Ele começou a compreender que havia esta agenda por baixo dos panos, que as pessoas não percebiam.

Quando ele começou a se rebelar contra o modo como usavam seu trabalho, disse que despertou certa manhã e havia um branco em seu cérebro. Ele recorda que saiu de casa, mas depois não lembra mais nada. E então, ele só recorda que despertou em uma espécie de consultório médico. Quando recuperou-se, percebeu que tinha grudado ao corpo um sachê semi-transparente, como os chamamos na Inglaterra -- uma bolsinha de plástico --, parece que são chamadas de "adesivos", no comércio.

Estava em seu tórax e este adesivo continha um líquido amarelo-dourado. Ele abriu a camisa, enquanto me contava esta história – e lá estava aquele saquinho. Ele me disse que haviam manipulado seu corpo para que precisasse desta droga para sobreviver, e que se parasse de usá-la, começaria a morrer. A morte chega em cerca de três meses, aparentemente, uma morte muito dolorosa e horrível.

Este adesivo precisa ser substituído a cada 72 horas, e se ele se revoltar ou se recusar a fazer qualquer coisa que lhe ordenem, eles não o substituem e ele começa a morrer. Já fizeram isso uma vez, quando ele tornou a se rebelar. Parece que agora, segundo ele, existem arquivos na sede da CIA que identificam cientistas e pessoas assim por toda a América. É claro que o mesmo deve estar ocorrendo em outros países.

Eles decidem se o adesivo deve ser substituído, se o cientista, neste ponto, e indispensável ou dispensável, essas coisas. Ele sabe que, no fim, o que eles fazem é, quando já adquiriram todo o conhecimento possível da pessoa, eles não substituem mais o adesivo, porque não querem que o cientista saia por aí falando sobre o que fez.

Obviamente, também fazem uma espécie de controle mental, colocando uma espécie de espelho, um aparelho de varredura, em sua mente, como um véu, de modo que essas pessoas não recordam grande coisa, de qualquer modo, quando deixam esses projetos.

Ele me contou muitas coisas. Em primeiro lugar, ele me disse para observar a China, que faz parte da agenda. Outra coisa que me falou – como você sabe muito bem, como quase todos sabem – é que há muito tempo já existe a tecnologia para a cura do câncer. A tecnologia já existe há tempos, para obtermos toda a energia gratuita que desejarmos, sem termos de pagar contas. E ele disse outra coisa interessante, dentro da área na qual trabalha: “Sabe, existe tecnologia para cultivos abundantes em desertos, sem água, usando o magnetismo.” Disse também que, na melhor das condições, é possível ver o crescimento como se fosse uma filmagem acelerada. Não haveria fome em nenhum lugar no mundo, não há necessidade para isso.

Contudo, eu lhe conto esta história porque, além de ser interessante, o que ele me disse, em resumo, foi: "Se as pessoas tiverem de dizer não a apenas uma coisa, por favor, peça que digam não aos microchips.” Ele me disse que pensa assim porque o microchip não é apenas uma identificação eletrônica, como algumas pessoas ligadas à teoria da conspiração pensam. Sim, também serve como identificação, em um nível, e certamente não é apenas para facilitar a recuperação de seu filho, caso ele se perca. Ele disse que as pessoas não percebem o nível de tecnologia que já existe.

Em suas palavras, o uso real do microchip na população é para oferecer um controle externo ao pensamento e processos emocionais das pessoas, através de sinais e pulsos externos. Além disso, esses microchips, uma vez implantados, recebem pulsos – e muito dessa coisa e Guerra nas Estrelas é, na verdade, um véu para a tecnologia de controle desses microchips – eles serão capazes de torná-lo agressivo ou dócil, externamente, sexualmente excitado, sexualmente desinteressado, poderão suprimir seu estado intelectual, de modo que você deixará de raciocinar plenamente. E a idéia é, literalmente, transformar a humanidade em uma raça de robôs externamente manipulados.

Estamos agora, provavelmente, em uma situação na qual esses microchips existem e apenas aguardam que a equação de " "problema, reação, solução" crie uma situação na qual os chips serão aceitos.

E o interessante é que, quando falei na África do Sul, ano passado, tive muita publicidade logo depois de chegar, porque eles não percebiam muito bem o que eu estava dizendo, e grande parte dessas coisas era ao vivo, é claro. Então, eu estava lá falando, e antes de perceberem o que eu dizia, em uma questão de três ou quatro dias, falei ao vivo por 25 minutos para 29 países africanos, em uma ocasião. Como resultado disso, houve um tremendo interesse. Winnie Mandela veio a uma de minhas apresentações. Tive um encontro privado com P. W. Botha, ex-presidente da África do Sul. Eu lhe contarei uma história sobre ele em um segundo. Houve um tremendo interesse.

Um dos jornalistas que me entrevistou em um de seus programas de atualidades ligou-me cerca de dois dias depois e disse: “Um cara muito esquisito me ligou.” Ele ligou, e me disse que não tinha ouvido o programa, mas alguém lhe contara sobre ele. E ele disse que exigia que eu lhe contasse como sabia sobre esse plano de microchip.

Depois acabei descobrindo que esse camarada havia pego o bonde andando. Ele tivera a impressão de que eu comparecera a esse programa de atualidades e falara sobre o programa de microchip na África do Sul. Eu não sabia de nada sobre isso, na época. Na verdade, eu estava falando sobre a agenda do microchip, em termos globais.

De qualquer maneira, como resultado de pensar que eu havia falado sobre isso, o cara exaltou-se e disse: “Mas ninguém deveria saber disso! Todos juraram manter segredo!”

E o jornalista disse: "De que você está falando?”

A pessoa que havia ligado disse que havia uma empresa na África do Sul produzindo os microchips para o povo sul-africano, e todos haviam jurado – uma lei de segredos oficiais, algo desse gênero – não falar sobre isso e que esse tema não deveria ser levado ao povo sul-africano. Isto surgiu porque ele achou que eu havia contado tudo, e eu falara apenas sobre o plano global de implante de microchips. Portanto, essas coisas estão acontecendo em todos os países.

Entretanto, o negócio sobre P. W. Botha é interessante. É bem legal, e nunca toquei nesse assunto antes. Porém, acho que mencionei em O Grande Segredo. Bem, mas ninguém tocou no assunto, por tudo que sei. Winnie Mandela foi a uma de minhas apresentações em Johanesburgo, quer dizer, tive uma platéia de mil pessoas! Pareciam loucos por minhas palestras, na África do Sul. Depois de muita publicidade, recebi um telefonema da filha de P. W. Botha, que foi presidente durante a era do apartheid, quando Mandela esteve envolvido, nos anos 80, com F. W. de Klerk, e foi de Klerk que derrubou Mandela, o que, repito, sempre foi parte da agenda.

Esta agenda mudou a África do Sul de um controle aberto para um controle velado – e, é claro, o mundo já não presta atenção àquele país – com as mesmas pessoas, a família Oppenheimer, governando a África do Sul como já ocorrera antes. Acontece que ninguém mais expõe esta situação, porque a África Do Sul é livre, sabe, li isso em um jornal, em algum lugar.

A filha disse que Botha queria me conhecer. Agora, para ver como a sincronicidade funciona, eu estava me apresentando em um lugar pequeno, o único lugar pequeno no qual falei, para falar a verdade -- quase sempre me apresentei em palcos de grandes cidades – e não muito longe de Port Elizabeth, e assim aconteceu que a quinze minutos dali vivia P. W. Botha, após sua aposentadoria. Portanto, eu fui ao seu encontro.

Ele estava falando comigo -- Rick, achei aquilo surreal! Estou sentado lá, falando com o ex-presidente da África Do Sul, e ele me pergunta como funciona a manipulação! Ele dá nomes como Kissinger e Carrington e Rockefeller, e todas essas pessoas que manipularam a África Do Sul, mas não percebe, realmente, que seu país é apenas um elemento em uma agenda global. Ele pensou que isso só acontecia na África do Sul.

Que você percebe que pode chegar àquele nível e as pessoas ainda não sabem o que está acontecendo, a compartimentalização é de espantar.

Começamos falando sobre os Rothschilds – este é o ponto – e ele disse: “Ag, sim, tive um encontro interessante com os Rothschilds. Nos anos 80, pediram-me que servisse de anfitrião para um encontro com os Rothschilds ingleses na Cidade do Cabo.”

Ele disse que os Rothschilds lhe contaram que havia dinheiro em contas bancárias da Suíça, grande riqueza nas contas da Suíça, que pertencera aos judeus alemães, e estava disponível para investimento na África Do Sul, se pudessem concordar sobre as taxas de juros. Em outras palavras, esta família de Rothschilds, que se porta como bastiões do judaísmo, como pessoas que apóiam e defendem o povo judeu, na verdade tem emprestado dinheiro de contas na Suíça, que pertenceu aos judeus alemães, e fazendo uma fortuna, desde a Segunda Guerra Mundial. E P. W. Botha pode comprovar isso, porque recebeu a oferta, na década de 80, na Cidade do Cabo.

Os judeus realmente deveriam abrir os olhos – os Rothschilds não estão do seu lado, nem um pouco, e têm manipulado o povo judeu como este já foi muito manipulado por outros. Obviamente, um dos financiadores de Adolf Hitler, o que deixa as coisas ainda mais claras e começa a colocar este quadro sob uma perspectiva mais clara, por que a família de banqueiros que fundou e financiou Hitler, em grande parte, depois da guerra continuaria tendo o controle sobre o dinheiro de judeus alemães em bancos suíços, ao ponto de poder usá-lo em sua própria vantagem, desde então? E este, é claro, é o dinheiro que esteve nas manchetes nos últimos anos e causou um grande escândalo, porque familiares dos judeus não receberam o que deveriam.

Martin: Você mencionou que tem visto algumas pessoas despertando para isso tudo, no mundo inteiro. Em uma análise final, o que isso significa?

David Icke: Parece que existe um ciclo, e que estamos chegando ao fim dele, que tem a ver com agir – é um ciclo vibracional, em termos de seu efeito sobre o campo da Terra – como um relógio despertador espiritual. As pessoas estão começando a despertar daquilo que eu chamo de “transe terrestre”, o sono espiritual, longo demais.

E é por isso que pessoas próximas a Kissinger durante os anos 70 me contaram que Kissinger e seus parceiros criaram, na verdade, o que chamamos de Movimento da Nova Era, um ponto muito importante e vital. Sempre que menciono isso, as pessoas exclamam: “Bem, isso é ridículo!” Mas será que é mesmo?

Há um ciclo vibracional, e ele está despertando as pessoas. Agora, além de ir até o sol e desligá-lo, ou mudar seu ciclo vibracional, o que quer que seja, você tem outra alternativa -- e essa tem a ver com pegar as pessoas que estão despertando e colocá-las em uma posição, preferivelmente a alguns centímetros do teto, onde as pessoas que despertam – em um nível -- não se tornarão um perigo para a sua agenda, Seus interesses. E o que eles fazem é pegar as pessoas que estão despertando espiritualmente e colocá-las no teto, de um modo impressionante. Não todos, é lógico, mas um número muito, muito grande dessas pessoas. E nos lugares em que as pessoas não estão envolvidas na espiritualidade como mudança, elas estão envolvidas na espiritualidade como escapismo, como negação, como uma desculpa para não sujarem as mãos no mundo tridimensional. Elas estão em uma negação completa – a maioria delas, nem todas, mas a maioria – de que ocorre esta manipulação.

Eu sempre ouço o seguinte: “Ah, isso é tão negativo! Não deveríamos falar sobre essas coisas.” E então, no outro lado, aqueles que identificaram o problema na América são, em sua maior parte, do Movimento Patriota Cristão, não exclusivamente, mas em sua maioria. E eles acham que a espiritualidade, do modo como expressada em termos metafísicos nessa história toda de Nova Era, é o demônio.

Portanto, o que os Illuminati têm feito, de um modo magnífico, é separar o entendimento metafísico de como podemos sair daqui a partir do nível tridimensional e de uma consciência apenas superficial da manipulação. Portanto, eles tomaram o problema e a solução e identificaram o problema, chegando à solução de uma negação de que existe um problema a ser resolvido, se é que você me entende.

Martin: Sim.

David Icke: E eles fizeram isso de um modo incrível. E é por isso que Kissinger destacou esses grandes nomes da Nova Era, e ainda controla muitos deles que ainda estão persuadindo as pessoas de que, na verdade, a cavalaria está chegando. Com muita freqüência, quando examinamos a filosofia da Nova Era, esta é, simplesmente, um outro modo de expressar mais uma maldita idéia religiosa. Sabe, em vez de dedicar sua mente a divindades ou algo assim, você se entrega aos gurus, ou a entidades externas.

Não estou dizendo que não devemos examinar essas informações, mas precisamos filtrá-las através de nosso próprio “detector da verdade” e descobrir nossa própria verdade, em vez de alguém nos dizer como devemos viver nossas vidas, como devemos pensar e como devemos ver o mundo.

E muitas áreas, o movimento da Nova Era tornou-se apenas uma outra forma de religião e controle. Digo-lhe que, em áreas do movimento da Nova Era que já conheci, se você for contra a “linha do partido”, sofrerá conseqüências. Sabe, é como ir contra a linha do cristianismo ou ir contra o Papa – a maioria cai em cima de você.

O individualismo, embora eles falem que é necessário, embora digam que desejam o individualismo, é constantemente esmagado pelo sistema de crenças do grupo. É interessante, sabe, quando eu falo sobre isso em minhas palestras, em todos os lugares do mundo, a platéia me aplaude. Porque eu acho que as pessoas estão começando a cansar do movimento da Nova Era, que com muita freqüência nos desvia da verdade real da metafísica e a suprime. E a verdade real é que NÓS, como indivíduos, estamos no controle de nosso destino, e não somos controlados por forças externas.

Portanto, e eu acho que é muito importante, na época em que vivemos, começarmos a retomar nossa soberania individual e perceber que temos o direito de decidir sobre nossa verdade e vivê-la, e não ter mais uma verdade imposta, seja esta o movimento da Nova Era, cristianismo, hinduismo, ateísmo, etc., porque toda a base do controle é tornar a individualidade subordinada ao grupo, suprimi-la pela vontade da maioria, pela mentalidade da horda.

O problema pode ser resolvido de duas maneiras. Podemos encontrar a solução, o que não é realmente a melhor maneira, porque para mim o melhor modo de resolver um problema é removendo sua causa, eliminando-o. A causa do controle do planeta por um punhado de gente é que as pessoas cedem seu poder e não pensam por si mesmas, contentando-se em seguir um líder sem questionamentos. Além disso, é preciso insistir – e isto é o mais importante, o segundo estágio – insistir que outros façam o mesmo, porque depois que isso acontece, você cria uma situação na qual aqueles que estabelecem as regras neste mundo, quer elas sejam consideradas sensatas ou loucas, possíveis ou impossíveis, morais ou imorais, quem quer que seja que estabeleça as regras, controla o mundo.

Isto acontece por causa da vasta maioria da humanidade que cedeu seu poder e abandonou seus processos de pensamento e sua individualidade, e viverão suas vidas de acordo com as regras determinadas, porque não as questionam e sequer pensam sobre elas.

Agora, tudo bem, esta é uma escolha -- não tenho nenhum problema com isso. O importante, como eu digo, é que as pessoas que sucumbem a essas normas insistem que aqueles que não desejam ceder também devem render-se a essas normas. Neste ponto, quando você consegue que a multidão policie a si mesma e torna a vida desagradável para aqueles que não concordam, neste ponto você tem a base, e apenas neste ponto, você tem a base sobre a qual os poucos que fazem as regras podem dominar o mundo, porque você faz com que a humanidade se transforme não apenas em um rebanho obediente, mas também no cão pastor, não apenas no prisioneiro, mas também nos carcereiros.

E apenas deste modo, através de milhares de anos até o minuto atual, foi possível o controle do mundo por um punhado de gente.

Portanto, para mim, três coisas mudariam isso e transformariam dramaticamente o mundo em que vivemos para melhor, em virtude de tudo o que originaria. Essas coisas são:

Um: como indivíduos, nos livramos do medo do que outros pensam de nós, porque esta é a prisão na qual a maioria das pessoas vive. Quando você tem medo do que outros pensam, você não está vivendo SUA vida com SUA verdade; você está vivendo a versão de outra pessoa do que acham que você deveria ser. Em outras palavras, agora você faz parte do rebanho. Se nos livramos do medo do que outras pessoas pensam, como indivíduos, e dizemos, para usar o título de um de meus livros, Eu sou Eu, Eu Sou Livre, e se você não gosta de mim, tudo bem -- você tem este direito -- mas eu sou assim mesmo. Neste ponto, deixamos de ser cordeirinhos. E se um número suficiente de pessoas fizer isso, deixaremos de ser um rebanho.

Dois: permitimos que todos expressem sua singularidade, embora sejam diferentes de nós. Você sabe, acabar com atitudes como “Isso é um crime; chame a polícia; mas meu Deus, essa pessoa tem opiniões diferentes das minhas!” Depois que fizermos isso, deixaremos de ser cães pastores para o resto do rebanho. Com apenas essas duas ações, todo este amontoado de poder imposto começa a ruir, porque sua própria base é corroída.

E, finalmente, o número três: o ponto de equilíbrio, ninguém tenta impor aos outros aquilo em que acredita, de modo que todos respeitam o livro arbítrio dos outros, de modo que minha crença não será imposta a ninguém mais.

É por este motivo que, não importando o que digam sobre mim ou sobre o que eu escrevo, estou completamente em paz, porque todos têm o direito de pensar o que bem entenderem. As pessoas precisam apenas respeitar meu direito de ter a mesma honra de ter minhas emoções respeitadas, assim como meu direito de expressá-las. É por isso que, quando os teóricos da conspiração lançam insultos a outros que dizem algo diferente, acho que perderam a mão.

Portanto, essas três coisas fariam ruir a torre do poder, porque são os três elementos, invertidos, que permitem que um punhado de pessoas governe o planeta. Se não cedêssemos nossos intelectos a uma mentalidade de rebanho, e se não insistíssemos que as pessoas à nossa volta fizessem o mesmo, e se respeitássemos o direito de todos para a expressão de sua singularidade sem tentarmos nos impor, então a capacidade de uns poucos para controlar o planeta acabaria imediatamente, porque essas três coisas precisam substituir a mentalidade de rebanho, o policiamento da multidão por ela própria, a imposição de sua vontade sobre a vontade de outros.

Se essas três coisas não ocorrerem, o controle centralizado é impossível. E nós temos a capacidade e a escolha e isso é tudo o que resta, agora, para reverter essas coisas, para removê-las, pela forma como reagimos e agimos uns com os outros e fazemos ruir essa torre do poder. E este é o ponto, à medida que todo o círculo começa a se fechar, quando entramos em um estágio do ser no qual respeitamos nossa própria singularidade e o direito de expressá-la, quando começamos a celebrar e a glorificar a diversidade em vez de zombar dela, quando permitimos que outras pessoas tenham este mesmo privilégio, quando não tentamos impor nossa vontade sobre outros, neste ponto nosso estado vibracional – por causa de nosso estado emocional e mental – começa a vibrar com mais rapidez e começamos a nos re-conectar com aquelas dimensões superiores de nós mesmos e começamos a nos tornar seres multidimensionais e íntegros novamente, em vez de fragmentos dêsconectados, causados pela vibração do mesmo, agressividade e imposição.

Portanto, a verdade é que tudo está ligado a todo o resto. Assim, se nos libertamos e libertamos uns aos outros, nos re-conectamos, em termos vibracionais, e deste modo libertamos desta manipulação da quarta dimensão inferior. Tudo vem de nosso estado do ser e estamos no controle completo dele. É por isto que apenas uns poucos podem controlar o mundo, porque entregamos nosso direito de ser quem somos a outra pessoa.

Martin: Este é um ponto perfeito para terminarmos.



Janglada

We are not alone



Comentários recentes por David Icke

A: David Icke::Meu foco, no momento, está sobre um jogo de realidade virtual que explicarei em meu novo livro, intitulado INFINITE LOVE IS THE ONLY TRUTH - EVERYTHING ELSE IS ILLUSION (O Amor Infinito é a Única Verdade – Tudo o Mais é Ilusão). Basicamente, o mundo que julgamos ver à nossa volta é uma ilusão, e este é o nível no qual a manipulação está realmente ocorrendo. Nossos corpos/cérebros são como “terminais de computadores” e o mundo é uma Internet holográfica. É uma história fantástica, mas faz todo o sentido em relação ao modo como o mundo é governado e estruturado..

Sim, eu tenho sofrido algumas perturbações, mas nada que eu não consiga manejar. Em termos de publicidade, esta vem em grande parte dos meus livros, palestras e site da Internet, em davidicke.com. A mídia, quando se dá ao trabalho de mencionar o que eu digo, sempre tenta desacreditar-me, sem qualquer investigação ou, na maior parte do tempo, sem sequer ler o que tentam enxovalhar.

Q: ATS: Têm circulado rumores sobre uma base alienígena ou humana, localizada no lado oculto da lua. Você pode nos dar alguma informação sobre o que suas pesquisas lhe revelaram, com relação à existência e finalidade de uma base lunar?

A: David Icke: Eu não sei. Já ouvi essas histórias, mas depois que percebemos que vivemos em um jogo de realidade virtual holográfica, o que é real? Apenas aquilo que você é manipulado a crer é real. Sob esta perspectiva, ainda há muito mais para sabermos, antes de podermos entender plenamente todo esse negócio extraterrestre.

Saber que eles têm o poder de manifestar seus próprios sonhos e destino desejado e não ter sua realidade implantada todos os dias através de pensamentos que julgam ser os seus próprios pensamentos. Não precisa ser assim, mas se não despertarmos, será. O primeiro passo é percebermos que não existe algo como “uma pessoa normal”.

Na verdade, não estou tentando salvar ninguém. Estou comunicando informações que as pessoas podem usar como quiserem e assumir uma ação, se desejarem. Realmente, não há futuro e não há passado. Esta é uma parte fundamental da ilusão, como meu próximo livro explicará. Há apenas o AGORA e este é o único lugar que podemos mudar, porque não há nada mais! Se acreditarmos que estamos enfrentando a danação, estaremos mesmo. O mundo é uma ilusão e podemos mudá-lo em um instante, quando percebermos quem realmente somos.

De fato, bilhões de pessoas já tiveram suas mentes invadidas, acreditando na história oficial dos atentados de 11 de setembro, quando este foi uma mentira monumental. O que é o controle mental? É fazer com que alguém pense o que você quer que ele ou ela pense e, portanto, faça o que você deseja que ele ou ela faça. A maioria das pessoas é controladas mentalmente todos os dias, apenas assistindo os noticiários de TV. Esses projetos de controle mental simplesmente fazem o mesmo com indivíduos de um modo muito mais extremo.

Q: ATS: Sauron pergunta, por que você foi proibido de entrar no Canadá?

A: David Icke: Existem forças, no Canadá, que não desejam que eu me pronuncie por lá. Isto inclui um advogado do governo, chamado Richard Warman que se esforçou muito durante anos para que a imigração proibisse minha entrada e que eu não pudesse participar de eventos públicos. É impressionantemente simples, tudo isso. Basta ligar para a imigração e para os representantes dos lugares onde eu pretendo me apresentar, mentir sobre o que irei dizer e todos obedecem. “Patético”, é a única palavra. Essas mesmas pessoas então dizem que acreditam em liberdade e condenam outros países por suprimirem a livre expressão.

Eu uso minha intuição com pessoas e algumas delas já tentaram entrar em minha vida. Eu garanti que elas não invadiriam meu espaço e não teriam nada a ver comigo e com meu trabalho. Eu também trabalho sozinho nas pesquisas e livros, e não possuo uma empresa. Não conheço nenhuma tentativa de ameaça à minha vida, mas não nos esqueçamos que existem outras forças em operação aqui que desejam as informações que possuo.

Nas próximos semanas, estaremos lançando uma nova rede de sites na Internet que inclui um novo, o Ickematrix.com, com foco sobre a natureza ilusória da realidade e em como podemos controlar a ilusão, em vez de – como agora – sermos controlados pela ilusão. Ah, sim, e assista ao filme sobre a conexão reptiliana baseado em meus livros, no qual apareço como eu mesmo. Detalhes estarão no meu site na Internet, quando eu os tiver. Deverá ser logo. - Fim -



Janglada

Todos os direitos reservados

1 Comments:

Blogger Célia Barcellos said...

Olá,
inclui seu blog no BLOG DE BLOGS, um índice de blogs e outros links:

http://www.blogdlinks.blogspot.com/

abs,
Celia

2:55 PM  

Post a Comment

<< Home